terça-feira, 30 de outubro de 2012

National H.O.G. Rally Florianópolis: hora de pegar a estrada

Para quem vai ao evento ou vai usar o evento como pretexto para pegar a estrada neste feriado, chegou a hora de se preocupar com a parte divertida da viagem: viajar.

Eu parto, com o Alexandre Marinho, amanhã rumo a São Paulo para encontrar com amigos paulista e seguir para pernoite em Curitiba e na sexta terminar a viagem até Florianópolis. Pernas mais curtas e viagem mais tranquila. Um trem maior parte amanhã também, mas não para em São Paulo: vão direto até Curitiba para chegar em Floripa mais cedo. Nesse trem vão Rogério Barros, Cláudio Cerqueira, Bruno Gonçalves entre outros.

Alguns amigos meus, como o Sérgio Carvalho, saíram no sábado passado e já estão na bela ilha de Santa Catarina Já outros como Rodrigo Azevedo e Sérgio Gaspar, saem hoje.

O HOG RJ parte quinta-feira com trem puxado pelo Artur Albuquerque e o Paulo Kastrup. A programação detalhada você encontra nesse link: https://docs.google.com/spreadsheet/ccc?key=0AuozWvbP6_rudDhuenpEdVBXOGZfZWVMaTllWmFQYXc#gid=0

Cada um se programou da melhor maneira para curtir a estrada. Essa é a diversão.

A Dutra já é velha conhecida, e atravessar as marginais em São Paulo é uma das partes estressantes para quem vai pegar a Régis Bittencourt. A própria Régis é outra parte bastante estressante, principalmente na sua parte inicial de descida para Curitiba: a serra do Cafézal.

A serra do Cafezal é feita em pista simples e tem um pouco mais de 20 kms entre caminhões. O HOG RJ vai evitar tanto as marginais na capital paulista quanto a serra do Cafezal desviando pelo litoral optando pela Mogi-Bertioga até Cubatão e subindo para Régis por Registro, seguindo para pernoite em São José dos Pinhais. Perna longa, aproveitando o primeiro dia e descendo para Floripa na sexta feira com mais sossego.

Esse trajeto do HOG RJ é uma idéia para a volta.

Como sigo em dupla até São Paulo e de lá sigo com mais três, o grupo menor favorece alguns trajetos mais longos e travados e a entrada em São Paulo também fica menos complicada por não ter a preocupação em perder algum colega no trânsito local.

Meu planejamento inicial incluí o Rastro da Serpente novamente, mas acredito que a meteorologia vai desaprovar essa alternativa. Para evitar a serra do Cafezal recebi a sugestão de seguir por Tapiraí/Juquiá e acessar a Régis também em Registro, mas por cima e não pelo litoral como é a idéia do Artur.

Outra alternativa é nos agregarmos a um dos trens do HOG paulista que partem via Régis com apoio de batedores e carro de apoio, pelo menos até passar a serra do Cafezal ou seguirmos via Régis em grupo pequeno.

A descida de Curitiba até Florianópolis no dia 2 será bem frequentada, já que a maioria que segue para lá estará na estrada, em horários diversos. Deve ser uma ocasião para boas fotos de longos trens.

Em Floripa, é aproveitar o evento e reencontrar as esposas que estarão no avião a caminho do evento.

Divirtam-se na estrada, é lá que começa qualquer evento. Moto preparada, roupa de chuva, que pode ou não cair ao longo da viagem. no topo da mala

E que a estrada seja madrinha e não madrasta para todos que vão se divertir em Florianópolis.

3 comentários:

Wilson Roque disse...

Boa viagem a todos que estiverem na estrada.

Ricardo Sousa disse...

Hei Wolf, blz?
Cara, desde que vi sua publicacao sobre o SESPT fiquei com vontade de compra-lo! Mas está caro e pelo ebay ainda tem varios outros problemas...Ainda pretendo comprar, mas agora estou balançado pelo Suricato. Oq vc acha? parece fazer a mesma coisa, e por um preço bem melhor. Eu nao gosto muito de sair correndo muito e nem arrancando com a moto. Sou mais estilo easy rider, mas o dispostivo tb promete diminuir a temperatura do motor e deixa-lo mais macio. Mas será que essa dimininuicao da temperatura é considerável? e a mudança na "macies" na lenta vale a pena, apesar de ele nao baixar a RPM como o SESPT? Será que vale a pena eu comprar? Me ajuda aih. Sua opiniao é de grande importancia p mim, ja que sempre te vi imparcial nos seus comentarios e mostrando grande conhecimento do assunto. Minha moto é uma Dyna Custom 2012.
Valeu.

wolfmann disse...

Ricardo, desculpe pela demora no retorno, mas estou retomando o blog somente hoje após o meu retorno de Florianópolis.

Não posso te dizer muita coisa sobre o suricato porque nunca usei e o pessoal aqui do Rio também não fez essa opção. A maioria absoluta por aqui fez a opção pelo SESPT ou pelo Power Commander.

Não se vê muitos comentários reportando problemas com os produtos do Porcão, embora conheça alguns colegas dos Biduzidos que tiveram problemas e colocaram os produtos à venda novamente.

Uma pessoa que vem usando o suricato é o Bayer que mantém o blog old dog (www.olddogcycles.com), mas ele não costuma tecer comentários sobre o suricato, exceto nas participações dele no forum harley (www.forumharley.com.br).

Eu prefiro não usar os produtos add ons como o suricato e Power Commander pela necessidade de converter as respostas originais dos sensores para respostas modificadas para forçar uma ação diferente da ECU. A possibilidade de um problema elétrico (carga baixa da bateria, um sensor sujo ou um problema de regulador de voltagem por exemplo) causar uma resposta ainda mais errada que vai se tornar em uma ação ainda mais forçada existe e cresce conforme você desgasta bateria (principalmente).

Sem falar que os add-ons deixam a ECU trabalhando em uma faixa mais reduzida, limitando um sistema que em teoria tem uma faixa mais larga para compensar combustível ruim, baixa pressão atmosférica, algum entupimento na alimentação exatamente porque as respostas que os add-ons enviam para a ECU são limitadas à programação inicial do firmware gravado no add-on.

No uso normal, como você pretende, você não deve ter problemas e acredito no empenho do Porcão em desenvolver os produtos que ele cria.

Se vale a pena ou não a experiência é uma decisão pessoal. O suricato tem várias vantagens em relação ao SESPT: parece ser bastante fácil de instalar e usar, tem várias regulagens padrões gravadas que você pode modificar usando os potenciômetros e você poder revender ou usar em outra moto (coisa impossível de ser feita com o SESPT).