terça-feira, 9 de agosto de 2011

marcha lenta

Quem compra uma HD zero fica meio decepcionado quando a liga e não escuta o "galope" característico das HDs carburadas. Sem falar que na maior parte das vezes só escuta mesmo é o barulho de kombi dos escapes stocks.

Trocar os escapes procurando o som característico é a praticamente a primeira coisa que qualquer proprietário faz, mas sempre acaba desiludido pela falta do "galope".

E por que não se consegue o "galope"?

Porque os motores precisam se manter girando mais alto para poder expulsar os gases pelos escapes restritos que as normas anti-poluentes exigem.

Então, se eu troco os escapes, por que não consigo o "galope"?

Porque você precisa regular a marcha lenta em um limite mais baixo e para isso é preciso contar com a ajuda de um scaner digital ou uma interface que possa reprogramar a ECU.

Mesmo assim, existe um limite até onde a marcha lenta pode ser reduzida sem prejuízo para o motor ou sem que o motor apague em cada sinal de trânsito. Esse limite, dependendo da temperatura, são 800 rpms. É o limite que o SERT/SEST/SEPST admite e o limite que a maioria dos scaners digitais permite programar.

Abaixo disso existe a possibilidade de problemas em lubrificar a parte alta do motor por falta de pressão de óleo.

Algumas soluções mais engenhosas, como o Idle Control desenvolvido pelo Artur Porcão do Fórum HD, vem permitindo que se altere a marcha lenta abaixo das 800 rpms, mas o próprio Porcão não recomenda que se faça isso com muita frequencia.

Outras soluções envolvendo travar o motor de passo que é controlado pelo sensor IAC (alguns relatos falam em desligá-lo) também permitem que se baixe abaixo do limite inferior.

E as consequencias disso? Você tem uma moto injetada funcionando como se fosse carburada... precisa esquentar antes de sair, existe um delay na resposta de acelerador e o comportamento fica alterado. Nada que as pessoas não se acostumem em nome do "galope".

Muito bem, é possível conseguir o "galope". Mas vale a pena? Tudo vale a pena desde que você se disponha a pagar o preço de um desgaste maior ou da alteração no comportamento da moto.

Eu baixei a marcha lenta na minha Fat com o SERT. Não cheguei ao limite mínimo possível para evitar que a moto apague nos sinais (coisa que ocorria com ela trabalhando no limite mínimo) ou ter de fica segurando a rotação controlando o acelerador. A moto trabalha um pouco acima das 800 rpms (832 rpms é meu menor limite) e em consequencia disso esquenta menos quando está no parada (menor rotação, demora mais para esquentar e começar a dissipar calor).

Considerando que a própria ECU com a programação stock diminui a marcha lenta quando a moto atinge uma temperatura elevada para evitar um superaquecimento, a baixa da marcha lenta dentro do limite recomendado não vai trazer prejuízo algum a vida útil do motor, pelo contrário: vai ajudar a mantê-lo saudável por mais tempo.

Recomendo o "galope", mas respeitando o limite da bomba de óleo.

20 comentários:

Pedrão disse...

E Aê Velhinho,

Se você ajustar o SERT ela não morre ao 800 RPM. A minha tá com 800 e galopa, pula, vibra, o pessoal corre achando que ela vai explodir... mas não morre.

Troca de mapa prá vc ver.

Abs,

Pedrão

wolfmann disse...

Pedrão, esses TC88 tem uma eletrônica menos desenvolvida e quando o danado chega perto da temperatura máxima a lenta não segura em 800 rpms.

Já fiz essa experiência várias vezes e sei exatamente quando o danado vai apagar e normalmente segurava no acelerador feito carburada, mas ando preguiçoso para segurar o giro no acelerador e dei uma levantada na lenta.

Tá de bom tamanho e a temperatura custa mais para esquentar no transito do mesmo jeito, mas dá para regular a lenta em 800 rpms a partir de 48°C.

Anônimo disse...

wolfmann, voce acha que tem algum problema operar com 800rpm e modo parade ativado nos motores TC96? vai esquentar menos ainda, mas ai é um cilindro só para movimentar o motor...
Renato

wolfmann disse...

Renato, quando a moto entra no "parade mode" ela não está se movimentando. O cilindro dianteiro mantém apenas o motor em funcionamento.

Assim que você acelera para tirar a moto da imobilidade, o segundo cilindro volta a queimar sem nenhum tipo de prejuízo para o funcionamento e rodagem.

A marcha lenta em 800 rpms, em princípio vai fazer com o que o "parade mode" seja acionado mais tarde porque a moto vai demorar mais tempo para chegar na temperatura que aciona o "parade mode".

Eu já comprovei esse fato na moto do Monge, que está com o EITMS setado e a marcha lenta setada no limite mínimo que o SEST permite. A moto demora muito mais tempo para desligar o cilindro traseiro: chegamos a marcar mais de 10 minutos em marcha lenta até o cilindro traseiro desligar.

Anônimo disse...

TOP! Mas com a moto no transito, a temperatura do motor já estará alta, então acredito que não demore todos esses 10 minutos. De qualquer forma vale a pena usar os dois sistemas (baixa rpm e parade mode) para ajudar o motor a manter a temperatura mais baixa.
E o software "SmartTune"? Já usou? Será que ele tbm sugere algo para a rpm?
Renato

wolfmann disse...

O Smart Tune só sugere alterações funcionando em closed loop, isto é, com a tabela AFR em 14,7 na totalidade das células.

Dessa forma, faz sugestão para o melhor mapa (apenas tabela AFR) e você implementa ou não.

O Smart Tune não faz nenhum tipo de sugestão para a marcha lenta, seguindo a tabela default do mapa americano.

ADVOGADONLINE disse...

Wolf, esse é o meu primeiro comentário depois de ler todas as suas postagens.

Primeiro, parabéns pelo blog - muita informação de qualidade, especialmente para um harleyro de primeira viagem como eu - acabei de comprar uma FATS special, 2012, depois de ter iniciado com uma virago 535 que só me deu alegria, passado por uma Boulevard 800 que me decepcionou, e por fim, por uma intruder 1400 que só me deu aporrinhação (isso pra falar só das custons)...

Eu gostaria muito de passar o SERT na minha FAT, mas pelo que estou entendendo, ainda não existe programa para as softails depois de 2011 - você sabe se isso é verídico.

Um abraç, obrigado, e mais uma vez, parabéns pelo BLOG.

Gustavo

wolfmann disse...

Gustavo, o SERT é a primeira versão da interface de comunicação com a ECU HD.

A ECU evoluiu, trocou de fornecedor, do mesmo modo que foi trocado o produtor do software.

De SERT passou a SEST e hoje em dia temos o SEPST (Screaming Eagle Pro Super Tuner).

O SEPST também vem evoluindo, acompanhando as melhorias da eletrônica embarcada nas HDs e já esta na sua terceira versão (p/n 32109-08c), assim como o software e o kit de cabos para efetuar a conexão entre ECU, interface e computador (hoje com seis pinos e não mais com 4 pinos).

Eu descobri essa terceira versão na semana passada ao acessar o catálogo 2012 e ainda não pude descobrir o que realmente mudou, mas com certeza ainda se pode comprar e usar a interface de programação da ECU.

De acordo com o catalogo SE, para as ECU das HDs 2011 later você vai precisar do SEPST (p/n 32108-09c), os cabos (p/n 41000018) e software (p/n 32111-12).

Abraço.

Gustavo Lara disse...

Wolfmann desculpe minha ignorancia, mas a pouco que estou andando de HD e o inicio do Post é exatamente o que me fez pensar em ate trocar minha moto por uma carburada mas parece que há solução para as com Injeções.
Bom eu tenho uma Dyna FatBob 2012.
Eu ja coloquei um escape V&H e um Filtro Arlen. O que eu preciso fazer e/ou comprar para baixar a marcha da moto, para ter o galope? Um abraços Gustavo Lara

wolfmann disse...

Gustavo, não sei se você está em São Paulo, mas lá tem várias oficinas que conseguem baixar a marcha lenta com o uso de um scaner.

Eu te recomendo um ajuste completo do seu mapa de injeção uma vez que você já investiu no filtro e escape esportivo.

Esse ajuste pode ser feito com dispositivos add ons (ficam presos na moto e vão modificando as leituras dos sensores obrigando a ECU a trabalhar de maneira diferente daquela que está programada) ou com interfaces de comunicação com a ECU (SEPST e Master Tune são as mais encontradas) reprogramando a ECU.

Mais uma vez, as oficinas em São Paulo estão bem a frente das demais, fazendo esse serviço com o auxílio de Dinamômetro.

Se você quiser fazer sozinho, a minha recomendação é pelo SEPST. É original HD e você já tem um mapa (condições americanas) sugeridas para a sua moto, onde poderá modificar até achar o ajuste ideal.

Com o SEPST você consegue ajustar não só o fluxo de combustível, como a relação ar/combustível (mistura), marcha lenta, resposta na aceleração/freio motor, ponto de ignição e ativar o parade mode que permite desligar o cilindro quando atinge temperatura elevada e a moto está com velocidade perto de zero.

Fabricio Tanamati disse...

Belo texto cara! E qto a lentadores mecanicos? Respeitando os 800 rpm as implicações sao aa mesmas que utilizando estes modulos?

wolfmann disse...

Nunca usei os lentadores mecânicos, que na realidade travam o motor de passo que controla a borboleta de admissão do filtro de ar.

A grosso modo você consegue fazer isso mexendo no parafuso que controla esse eixo sem necessidade de usar uma trava.

O problema no uso de um lentador (que só li relatos com bons resultados nos motores Evolution das Sportsters) é a variação de temperatura: com o motor frio você precisará travar a borboleta em posição diferente da posição com o motor quente, sem falar no momento em que a temperatura chega muito perto do limite máximo, quando a injeção baixa a rotação para evitar problemas de superaquecimento e quando atuar dessa maneira vai deixar a moto morrendo se a borboleta não estiver livre.

Mas é uma opção.

Tiago Oliveira disse...

Gostaria de reduzir a rotação da minha Heritage 2009, no entanto, fiquei com uma dúvida: Se o "galope" é uma característica da marca e se a redução da rotação não traz problemas (lubrificação, etc...), por que será que essa característica não foi mantida pelo fabricante?

Abraços.

wolfmann disse...

Tiago, baixar a lenta influencia a vida útil da bateria que será mais solicitada para manter a carga quando o estator e regulador não estiveram gerando carga elétrica (abaixo de 1000 rpm).

Com a eletrônica sendo sofisticada, o circuito elétrico é cada vez mais solicitado, basta ver o número de relatos reclamando dos reguladores.

A fábrica mantém acima de 1000 rpms para manter o sistema elétrico com vida útil preservada, e também evitar esforço na bomba de óleo.

Por ser um projeto antigo precisa usar mistura pobre para atender normas anti-poluentes (esse sim um grande problema para os projetos dos V2 refrigerados à ar).

O objetivo será sempre o mesmo: evitar problemas de uso ampliando a margem de segurança.

Raphael Furlan disse...

Wolfmann, sei que esse post é antigo, porém queria saber se vc continua com a lenta na casa dos 800rpm.
Tenho uma FAT Special 2013 e gostaria de reduzi-la.

Grande abraço e parabéns pelo blog.

wolfmann disse...

Continuo com a regulagem perto do mínimo, salvo engano está em 820 rpms assim que entra em temperatura de serviço, sem qualquer tipo de problema.

Abraço.

Edson Ribeiro disse...

Walfmann... tenho uma Deluxe 2007 e esta com o redline do porcao... e o uso lentador mecanico... gosto bastante... porem estou querendo voltar o motor de passo original e procurar alguma oficina aqui no norte do paraná para baixar a lenta via scanner..

qual das opçoes acima voce me recomenda...

wolfmann disse...

Edson, se a oficina conseguir usar o scaner na sua moto, deve conseguir baixar a lenta.

A tabela da marcha lenta é acessada diretamente no mapa que você está usando através do scaner e alterando os valores você vai conseguir baixar a lenta.

Usando a interface, como SEPST, Power Vision, FP3, Master Tune, você mesmo faz isso. Problema é o custo da interface e saber que essa interface só poderá alterar a sua ECU.

Eu gosto do SEPST, mas tenho lido muito sobre o Power Vision e tenho gostado dos relatos e do material disponível.

Abraço.

Allysson Falcon disse...

Master Wolfmann,

Recebi hoje minha Heritage 2016/2017, com o motor 103.

De cara instalei um escape Vance & Hines BigShot.

Manjo nada de mecânica, eu queria diminuir um pouco a marcha lenta da moto, mas não preciso chegar no galope.

Uma coisa que me interessa nessas mexidas é ler que baixa um pouco a temperatura do motor.

Para um leigo como eu, dentro do que procuro, o que me recomendaria hoje?

Mais uma vez obrigado por compartilhar tão vasta experiência com pobres mortais como eu... kkkkkk

Ride Safe

Abrac

wolfmann disse...

Allysson, de cara recomendo fugir dos "lentadores manuais" que aparecem anunciados na web. Esses lentadores substituem o sensor do acelerador e vão te dar mais aborrecimento que satisfação.

A melhor forma de baixar a lenta é refazendo a tabela de marcha lenta que está gravada na ECU e só conheço uma forma de fazer isso de forma correta: remapeando a moto.

Para remapear a moto você vai precisar de uma interface para que o seu computador possa acessar a ECU. Os melhores atualmente, na minha avaliação, são o Master Tune e o Power Vision,

Outra forma de baixar a lenta é com um Scaner e as boas oficinas de HD já usam Scaners para verificar o código de erro e achar solução para problemas.

Não sei em Brasília, mas as melhores oficinas estão em São Paulo. Outra sugestão no CO é o El Camino em Mato Grosso.

Abraço