segunda-feira, 15 de agosto de 2011

HDMC: 180 dias de Terra Brasilis

E nesses seis meses o que aconteceu? Praticamente nada.


Não dá para aquilatar o trabalho de implantação da estrutura da HDMC pelo lado da empresa porque as informações que aparecem, seja na mídia, seja por informações de amigos, são sempre muito pouco detalhadas.


De concreto apenas os números publicados pela ABRACICLO que indicam um ano para ser esquecido. Com pouco menos de 1500 unidades produzidas em oito meses (114 para atender ao acordo feito com o dealer anterior) e pouco mais da metade delas vendidas (um terço pelo dealer anterior em regime de xepa de feira), e com direito a parada total da montadora em Fevereiro, a HDMC segue para o pior ano no Brasil. Só não será pior que o primeiro ano de resultados publicados (2006) porque esse primeiro ano só teve seis meses.


Agora, fazendo um balanço das expectativas como consumidor, os resultados estão bem abaixo do esperado. Com uma transição que eu considero amadora, a HDMC precisou de um intervalo de tempo considerável entre a inauguração do primeiro novo dealer e o fechamento do antigo dealer, sem falar na falta de informações sobre quem seriam os novos dealers e a quem recorrer enquanto as motos atingiam os limites indicados para as revisões (porque as motos, ao contrário da HDMC, continuaram funcionando).


Ao lado disso tudo tivemos um SAC mais interessado em refazer o cadastro herdado do antigo dealer (e negociado com uma empresa de eventos que vem fazendo eventos para os membros cadastrados no antigo HOG Brasil) do que atender à demanda reprimida sobre informações que pudessem solucionar problemas reais dos consumidores.


O cenário atual tem um novo complicador: a nova política da HDMC que impede as vendas dos dealers americanos para clientes HD fora dos EUA fazendo com que se tenha de recorrer a "jeitinhos" como importabandistas ou encomendas a parentes e amigos que viajem aos EUA.


Essa nova política está sendo implantada de forma amadora, como foi a transição, principalmente porque os novos dealers não tem estoque suficiente para atender a demanda e a a HDMC não implantou o prometido centro de distribuição em São Paulo capaz de atender um pedido em até uma semana.


Espero que as coisas comecem a tomar um rumo mais profissional porque a forma de gerenciar atual da HDMC não faz jus à fama da mesma ser uma das jóias da coroa capitalista norte-americana.


Tratar o cliente com respeito, cumprindo promessas e dando condições aos seus clientes de manterem suas motos rodando, com serviços de qualidade e peças de reposição é o mínimo ensinado em qualquer Faculdade de Gestão de Negócios para fidelizar a clientela.


Se a transição tivesse começado como prometido, neste momento a HDMC poderia estar disputando os clientes que estão migrando para Ducati, KTM, BMW e as importadas japonesas por absoluta falta de opção e credibilidade da HDMC na Terra Brasilis.


Abre o olho, HDMC... vocês tem mercado, mas a galera está esperando um pouco mais de respeito para voltar a viver o sonho da HD na garagem.

8 comentários:

Anônimo disse...

Independente da HDMC, vamos manter nossas motos rodando e nos divertindo. Infelizmente, muitas promessas, mas nada de novo... alias, com a impossibilidade de importar peças, ficou pior do que era antes. Daqui a pouco, as vendas de motos zero vão cair e alguem vai se torcar que a estratégia adotada está errada; embora nós, consumidores, já estamos cansados de avisar.
Abraços,
Renato

Anônimo disse...

Infelizmente a HDMC está a espera de um milagre que se resolva tudo com uma grande festa .Não é isso que queremos ,queremos peças acessórios e outras coisas mais,mas sem lucro extorsivo como vemos por aqui nos dealers tupiniquins.
Motos tem muitas e vários modelos inclusive pronta entrega aqui em Curitiba.Agora,peças?pneus?acessórios? Não tem e olha que o dealer dizque tem um valor consideravel de pedido colocado para suprir a demanda e não recebe.
Graças a isso alguns importadores daqui estão deitando e rolando .Tem o caso de um(Celio Motorcycles) que recebeu um container de acessórios e peças a alguns dias.
Viva a HDMC que vai fazendo um descaso com seu cliente e consumidor fiel.
kdu

andré disse...

Infelizmente é mais um motivo para aumentar minha desconfiança com o dealer e da HDMC.

Wilson Roque disse...

Parece navio batizado por madrinha desonesta . . . nada dá certo.
Impressionante o amadorismo, inclusive no item "Public Relations", sempre um ponto forte das grandes corporações americanas. Lembram quando o Lee Iacocca fazia, pessoalmente, os comerciais da quase falida Chrysler dos anos 1980? Salvou a empresa, que está no mercado até hoje. Isto é Relações Públicas. A Harley do Brasil tem medo do público e se esconde. Sabe-se mais pelos blogs do que pelo site da empresa. Uma pena.

Kdu disse...

Gostaria de conversar contigo

Pode me passar o teu e-mail

Verdadeiro Kdu

wolfmann disse...

vai via mp no FHD.

abraço.

Anônimo disse...

Parabéns pelo que vc postou no seu Blog caro Wolfmann e aos acertados comentários dos demais colegas!!! Concordo em gênero, número e grau. No fim das contas a palavra que vem a mente é: DECEPÇÃO.

wolfmann disse...

Infelizmente uma postagem usando nick homônimo (Kdu) não expressa a opinião do Kdu, diretor do HOG Curitiba.

Ele me chamou a atenção para o fato de não ter feito o comentário de 16/08 assinado pelo homonimo Kdu.

Não pretendo apagar o comentário de 16/08, mas como esse comentário foi feito usando a possibilidade de identidade anônima (adotada para facilitar o envio dos comentários por quem não tenha identidade registrada no Blogger) gostaria que o colega esclarecesse sua identidade para que não existam dúvidas sobre a intenção do comentário: se colaborar ou apenas criar algum embaraço para o Kdu, diretor do HOG Curitiba que vem fazendo um trabalho elogiável, intervindo sempre que possível a favor dos companheiros do HOG nos problemas cotidianos com o pós-venda HDMC.

Homonimos existem e peço essa gentileza ao Kdu em nome do Kdu, diretor do HOG Curitiba.