quarta-feira, 1 de abril de 2009

Ser Coxa... o que é isso?

Tem um termo que muita gente leva na brincadeira, outros acham um insulto, mas ao certo pouca gente sabe o que é: Coxa.

Existem colegas que atribuem o termo coxa a aquele piloto que por qualquer motivo deixa a moto na garagem: muito sol, muita chuva, muito frio, muito calor... e por aí vai. Mas esse personagem sabe tudo sobre todos os acessórios que podem ser colocados, diz que já investiu mais da metade do valor da moto em acessórios, comparece a todos os eventos com a moto na carreta (de onde só tira para colocar na porta do hotel do evento)... pilotar que é bom, nem por decreto celestial.

E como o HOG é o berço dos coxas, todos os membros do HOG passam a ser coxas.

Na realidade, esse termo foi criado quando modificaram o projeto de fixação do motor ao quadro das Harley Davidson: ao passar a usar coxins de borracha, boa parte das vibrações desapareceu dando mais conforto ao piloto e muitos trocaram as motos antigas pelas modelos que adotaram os coxins de borracha. Esses que passaram a usar as motos mais modernas, pagando caro pela novidade, foram apelidados de coxins pelos mais tradicionais, como forma de protesto contra a novidade.

Esse post me veio a cabeça depois de uma discussão sobre passear com o HOG, se existe preconceito contra os proprietários de Sportster da parte dos proprietários das Big Twins e esse ou aquele modelo é melhor.

Eu sou harleyro novo, ando com o HOG por conta da liberdade de escolher comparecer ou não às reuniões e da ausência de obrigações impostas pelos Moto Clubes devidamente instituídos. Não acho que exista esse preconceito (embora exista muita brincadeira entre donos das "gordas" e das "magrelas") ou que um modelo seja melhor do que outro. Existe o modelo para você e que você vai deixar do seu jeito.

O estereotipo do coxa pode ser encontrado em qualquer lugar e com qualquer moto. Restringir-se a uma pequena parcela do todo significa deixar de aproveitar tudo que você poderia aproveitar. O "coxinha" se auto exclui, não precisa de ajuda para isso.

Você nunca vai saber se o dono daquela EG, Sportster ou Fat tem uma idéia que vai servir para você resolver o problema da tua moto se decidir que só vai viajar com quam é proprietário de EG, Sportster ou Fat.

Aos colegas que não frequentam o Chapter RJ porque acham que serão discriminados por qualquer motivo, fica o convite para conviver com o grupo do HOG (que é o grupo que conheço) e ver se vale a pena andar com os "coxinhas do HOG",

2 comentários:

Daniel disse...

Engraçado que esse termo é usado hoje até pelos speedeiros.

Nada contra o HOG-SP, tem muita gente legal lá, mas também tem muito coxinhas. Acho chato andar com eles, fica monótono depois de um tempo.

Prefiro andar em grupos menores, de preferência de amigos.

wolfmann disse...

Pelo visto não é só você que acha isso aí em SP.

O HOG tem o problema de ser escola para os iniciantes que, quando passam a ter experiência e encontram outras pessoas com as mesmas afinidades, acabam deixando o Chapter sempre para os mesmos, o que acaba transformando o Chapter em um feudo dos "eternos diretores".

O grupo menor tem inúmeras vantagens sobre os trens de iniciantes do HOG, mas mesmo assim acho que você e o seu atual grupo de amigos não deve deixar de prestigiar os passeios do HOG só pelo fato de existirem muitos "coxinhas" no HOG.

Se o passeio for interessante, junte os amigos, vá ao café da manhã, saia com o trem e se as coisas não estiverem do agrado de vocês, sinalizem e saiam do trem para ir encontrá-los no destino final.

Ninguém é obrigado a seguir com o trem ou participar do passeio, mas não custa lembrar que você é membro do HOG e pode participar do passeio e ajudar na aprendizagem e na manutenção da idéia do HOG.