domingo, 30 de janeiro de 2011

saudade do carburador

E toda a situação atual de incertezas sobre como manter as HDs rodando não poderia acontecer em hora menos recomendável.

Minha moto já teve alguns problemas com entupimento de respiro (resolvido com a ajuda do Adriano da Brazil Custom) e atualmente vinha tendo problemas para ligar quando o tanque esvaziava o primeiro terço da capacidade.

No sábado 22/1 a moto parou com esse problema de partida e tratei de verificar a causa antes de ficar parado na rua. Novamente com a ajuda do Adriano, esvaziei o tanque e abri o tanque verificando que novamente havia furado a mangueira que sai do pressurizador para a saída do tanque.

É a terceira vez que essa mangueira fura e consegui uma original na Brazil Custom. Trocada a mangueira, ainda assim a moto seguiu apresentando defeito.

Verificada a troca (tudo em ordem, com a bombar enchendo o sistema) tratei de buscar solução, mas parece que tenho uma visita do Osmar Contato novamente.

Não tenho nada contra a injeção, acho mesmo que a adoção da injeção traz enormes benefícios para a moto, mas se fosse um carburador ela não estaria parada esperando a visita de um eletricista....

9 comentários:

Tovar disse...

Concordo que a injeção é uma evolução e tanto. Compensa automaticamente variações no combustível, alterações no escapamento, dispensa afogador, pode-se até alimentar cada cilindro de maneira diferente. Quanto à eficiência é fantástica. Porém, para quem está afastado dos grandes centros como eu, fica difícil recorrer a oficina especializada. Quando ví a oportunidade de comprar uma Fat carburada, fui logo busca-la. O som do escapamento é peculiar.
Mas como dizem, é 10 vezes mais facil furar um pneu que dar problema na injeção. (acho que isto te dá uns 20 furos então).
abraço irmão

wolfmann disse...

o problema da injeção no Brasil é exatamente o que você disse. Com exceção de São Paulo, não existe ninguém especializado em injeção.
Existem muitos especializados em remapear, utilizar dinamômetro, mas consertar... ninguém.

Eu já tive três problemas com a injeção nesses 45000 kms, sempre começando com essa mangueira (furou as três vezes) e acabando com fusível queimado, relê solto ou mal contato.

Acredito que com multímetro e amperímetro será bem mais rápido encontrar a causa do novo problema...

Darei notícias.

Tovar disse...

Também já experimentei pane elétrica, aliás foi assim que saí da loja em Moema-SP, o motor apagou, acendeu a luz vermelha "engine", o velocímetro desligou, em plena marginal Tietê. Para minha sorte resolveu sozinho após algumas tentativas de dar partida. Já se repetiu algumas vezes, não muitas, ainda não cheguei a ficar a pé. Parece-me que o ponto fraco das HD é o sistema elétrico, apesar de relativamente simples (a minha dá partida de qualquer jeito, engrenada e com descanso). Já limpei os contatos do painel do tanque, mas tenho rodado pouco, ainda não foi conclusivo. Meu receio com injeção é pane durante uma viagem.
Desejo que resolva logo seu problema, desconfio que vai ser no multímetro mesmo.
Abraço.

Wilson Roque disse...

Há um certo tom de nostalgia no ar . .

Anônimo disse...

Carburador quando começa a encrencar também é problemático. Uma injeção eletrônica moderna é bem mais confiável do que um carburador, com certeza. No seu caso o problema é mão de obra qualificada para descobrir o que está ocorrendo no sistema. Espero que vc resolva logo o caso.

Abraços.

Leoclima

wolfmann disse...

Tovar, te recomendo olhar o corta corrente no guidão... é fonte de visita do OSMAR CONTATO... hehehehe

Como você mesmo já disse, a elétrica das HDs é um ponto fraco na moto e muitas vezes a solução é simples como a limpeza de contatos e fusíveis.

Você dá conta da intermitência do problema, parece ser um fio mordido que esteja dando fuga de corrente. Para apagar a moto toda os locais mais prováveis são o corta corrente (muita gente troca os punhos e quem faz isso acaba encaixando mal o corta corrente no guidão e morde algum fio, sem falar na troca completa do guidão por outro) ou fusível geral na caixa de fusível (mal encaixado ou com contato oxidado).

wolfmann disse...

Roque, ainda vou achar uma Fat Evolution...

wolfmann disse...

Leo, nesta semana que passou eu me senti em Cuba... a falta de pessoas com treinamento adequado e a falta de disseminação de conhecimento está mantendo a moto parada na oficina à espera de profissional que tenha qualificação para tentar, veja bem: tentar, resolver o problema da injeção.

Se fosse problema de reposição de peças, seria fato normal e corriqueiro com solução já conhecida. O problema atual reside na falta de conhecimento para diagnosticar o problema.

Mas, eu vou insistir com a minha Fat. Fique tranquilo.

O máximo que vai ocorrer é eu aprender um pouco mais sobre a manutenção das HDs.

Anônimo disse...

Se existe a possibilidade do problema estar relacionado a contatos com baixa isolação, talvez se vc procurar uma oficina especializada e muito bem equipada em injeção eletrônica de carros, talvez alguém possa te ajudar, pois a injeção da sua Fat é muito simples e um eletricista especializado e experiente pode te dar alguma dica ou até mesmo encontrar o problema.

Boa sorte.

Leoclima