quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

projeto 2015

Projeto para 2015 é começar tudo de novo e agregar uma nova moto: a ideia é buscar uma moto mais segura e que se mantenha confiável como é a Fat Boy, para isso minha principal preocupação vai ser um sistema de freios mais eficiente com ABS.

Falar em moto mais segura e eficiente costuma ser sinônimo de mudança de marca. A HD melhorou bastante o sistema de freios, mas ainda tem deficiência em aproveitar melhor a eletrônica embarcada para controlar estabilidade e tração.

Juntando tudo isso, a primeira marca que vem à cabeça é a BMW. Embora tenha um interesse grande na BMW Nine T e na nova R1200R com o motor de refrigeração híbrida também, o fato de ter pouca ou nenhuma opção fora da autorizada aliado ao maior índice de sinistralidade envolvendo roubo, me desanima a experimentar a marca.

As Triumphs seguem a mesma receita de pouca ou nenhuma opção fora da autorizada e as nipônicas acabam mostrando seus modelos mais seguros no segmento Big Trail que não é minha praia.

Dessa forma, nada descartado ainda, mas em princípio continuarei harleyro.

Como a ideia é buscar uma novidade, descartei as Softails: além de manter o TC96, o sistema de ABS já tem coisa melhor dentro do próprio catálogo da HDMC e sem comentar que o meu modelo preferido, a Softail Slim, não é comercializado no Brasil.

Um modelo que gosto bastante é a Dyna Low Rider, lançada este ano, mas como as Softails, continua usando o TC96 e o mesmo sistema de ABS. Não dá para comentar sobre a moto porque quase não li relatos sobre o uso dela, dando a impressão de ser uma moto que não vem mostrando grandes pecados no uso. Pretendo agendar um test drive assim que for possível.

Um modelo que também me atrai desde o lançamento é a Sportster 48. Essa seria realmente uma novidade para mim, com vários detalhes (bastante conhecidos) a serem resolvidos. A falta da garupa e o tanque pequeno me desanimam. Investir nessa novidade seria divertido, mas com certeza seria uma moto que acabaria vendida em pouco tempo.

Outro modelo que me atrai desde o lançamento é a Street Glide. Apesar de não contar com o motor de refrigeração híbrida e não usar a suspensão tradicional das Tourings, a Street Glide é a que mais me motiva como novidade: tem uma pilotagem diferente da moto que uso, os freios são bem mais eficientes e o motor está atualizado. O morcegão com windshield mais baixo e a falta das perneiras me animam a fazer uma tentativa no mundo das Tourings "claustrofóbicas". É uma moto que tem tudo para passar uma temporada longa comigo, como vem sendo com a Fat Boy.

Vou ler e procurar me informar sobre a Low Rider e a Street Glide: como faltam recursos e tenho tempo, vai ser um bom hobby decidir e achar o brinquedo novo.

3 comentários:

Le disse...

Postei no fórum HD, Sportster Forty-Eight - Tudo aqui, algumas medições que fiz sobre a autonomia da 48.

Kastrup disse...

Vai para a Street que você vai gostar....converse com o Ernani a respeito....ele saiu da Fat para uma Street....abs

Sergio Thiago disse...

Após 2 anos continuo apaixonado na minha RK.
Recomendo.

Abs