sábado, 22 de novembro de 2014

Softail Breakout

A grande estrela do catálogo HD 2015, a Softail Breakout foi motivo de algumas mensagens que recebi. Em 2014 o modelo mostrou seu potencial com a venda rápida da versão CVO, mesmo com preço na casa de R$100.000,00 e já chegou mostrando números bastante animadores para 2015.

Não andei nela, apenas fiz o ass test em Milwaukee no ano passado.


Pela foto nota-se que o guidão drag bar deixa a posição desconfortável para os baixinhos, já que obriga a ficar esticado como na Blackline.

Existem várias soluções para esse problema: trocar guidão ou assento são as mais imediatas. Eu achei que a troca do guidão envolveria maiores problemas, mas o Feliciano já comprou a Breakout e já trocou o guidão.


Conversando com ele fiquei sabendo que o velocímetro fica preso no clamp superior do riser, mantido o clamp foi só adaptar um novo pull back riser de 4,5 e o guidão antigo do Fat Boy. Não perguntei detalhes, mas acredito que a medida seja 1,25 polegadas já que a fiação fica dentro do guidão. Trocou cabos.

Essa modificação é simples, sendo a parte mais chata da troca manter a fiação embutida no guidão.

Eu não trocaria o guidão por gosto pessoal, mas trocaria o riser pelo pull back. Talvez essa solução já fosse suficiente, uma vez que sou mais alto que o Feliciano.

Não sendo suficiente procuraria um banco que me levasse para frente e assim ficasse mais perto dos comandos.

Sobre o motor da Breakout, só lamento a decisão de trazê-la com a motorização 96 ci. No resto do mundo, com exceção do Japão, a motorização de 96 ci já foi substituída pela motorização de 103 ci. Nada contra o TC96, gosto muito e trouxe várias soluções interessantes, mas a nova comunicação de seis vias para interligar os diversos módulos e a ECU foram pensadas para o TC103 e uma parte da eletrônica embarcada encontra-se subutilizada com a adoção do TC96.

Gosto do inspiração "long custom" com entre-eixos maior e angula de cáster mais inclinado, as FX são minhas preferidas em termos de estética: comando avançado, pedaleiras e frente lançada compõe muito bem o estilo chopper da linha FX.

O último detalhe que chama a atenção, e muitas vezes é primeiro detalhe que faz isso, é a grande roda traseira de 280 mm. Acredito que a pilotagem seja muito semelhante à pilotagem da Rocker, também com roda traseira larga e entre-eixos maior: nas retas vai se mostrar extremamente estável, mas vai ser cansativa nas curvas, exigindo o uso da técnica do contra-esterço para amenizar essa característica. A frente com roda fina vai se mostrar bem sensível ao piso, deixando a impressão de uma frente bastante leve. É hábito e nada que quilômetros rodados não resolvam.

Uma moto que impressiona pelos cromados, pela roda traseira e pelo guidão.

O ponto negativo dela é o preço: normalmente a linha FX é base de preço da família Softail, mas a Breakout chegou como topo de preço. A moto tem um acabamento bem mais sofisticado que as FXST ou FXNT, assim como a Rocker ou a Blackline e tem preço nos EUA acima do preço das Fat Boys (topo tradicional da tabela da família Softail), mas parece que o atrativo de ser novidade está superando perfeitamente esse obstáculo, principalmente quando é comparada pelos interessados com a versão CVO vendida no ano passado: a perda do motor TC110 e câmbio diferenciado, além do desenho diferente dos aros, representou quase 40% de economia no preço da Breakout em relação à Breakout CVO e a nova Breakout está chamando tanta atenção quanto a versão CVO.

Em termos de marketing life style, chamar atenção pagando menos parece fazer toda a diferença.

23 comentários:

Celso Abreu disse...

Caro amigo, estou começando nesse mundo com uma Fatboy . Poderia esclarecer seu comentário sobre Breakout. Ele serve p Fatboy ? mas a nova comunicação de seis vias para interligar os diversos módulos e a ECU foram pensadas para o TC103 e uma parte da eletrônica embarcada encontra-se subutilizada com a adoção do TC96.Grato, Celso.

wolfmann disse...

Celso a comunicação em seis vias (can bus) permite maior velocidade entre os sensores, módulos e ECU. Esse sistema de comunicação foi adotado em 2011, quando as Tourings adotaram o TC103.

Essa maior velocidade permite que a ECU gerencie mais funções que as permitidas para o TC96 executar, como por exemplo o ABS Reflex, que por enquanto é exclusividade das Tourings Rushmore.

Por isso digo que o sistema está subutilizado: ele foi projetado para um gerenciamento mais efetivo e nos TC96 está gerenciando apenas queima de lâmpadas e sistema de segurança.

E estão incluídos nesse grupo tanto as softails quanto as dynas.

Em termos de problemas, o sistema elétrico das 2011/2012 teve diversas falhas com os reguladores/estatores/baterias por não conseguir manter a corrente necessária para manter a devida comunicação, deixando as baterias descarregadas ou queimando reguladores.

Essas falhas parecem ter sido resolvidas em 2013 quando os relatos deixaram de aparecer.

Abraço.

Celso Abreu disse...

Muito obrigado pelo esclarecimento . Minha Fatboy e 2014, só lamento a falta do TC103 pela atualização do modelo. De resto tudo de bom. Parabéns pelo seu blog, ele é sensacional , vejo todos em busca de novidades. Abraço !

Anônimo disse...

Olá,
Por favor, poderia me indicar onde consigo comprar um deste riser pullback para minha breakout?
Grato!

wolfmann disse...

Essa modificação foi feita na Brazil Custom, que tem página na internet.

Não peguei os detalhes, mas a Breakout tem guidão com diâmetro de 1,25 polegadas e o pull back riser no catálogo HD tem p/n 56267-09.

Se mudar o guidão para um guidão com diâmetro de 1 polegada, aparecem duas opções: p/n 56066-82A de 4,5" e 56266-09 de 6".

Abraço.

Marcio disse...

Boa noite. Gostei bastante do seu blog. Comprei um breakout e estou pensando em mudar o guidão mas estou na dúvida sobre qual. Tenho 1,92 cm e ela está me deixando cor dor nas costas por ficar curvado. Alguma sugestão?

wolfmann disse...

Marcio, talvez um riser mais alto resolva o seu problema, uma vez que tamanho não é problema para você.

Um riser mais alto vai elevar o guidão te deixando menos inclinado e colocando menos peso nos pulsos.

cco disse...

Duvida: nesse caso, o que é ser baixinho para a Breakout?
1,92 já é ser alto demais para ela, não é??
Tenho 1,75, ainda não fiz um teste drive, mas será q ela é pra mim?
Obrigado!!!

wolfmann disse...

Eu tenho 1,72m e fiquei bem curvado para chegar no guidão original, já o meu amigo Feliciano (citado na postagem) tem menos de 1,60m e fez várias adaptações para poder usar (e usar bem: só este ano já foram 8000 kms rodados).

Eu acredito que você vá ficar curvado e com o uso vai pensar em mudar o banco ou guidão, mas essa é uma modificação simples, praticamente plug'n'play.

abraço.

Ricardo disse...

Wolfmann bom dia!Paz e Bem!Recem intronizado no mundo da HD com uma Fat Boy 2009,ainda original.Tenho 1,68 de altura,e venho percebendo cansaço,estresse nos membors superiores e nas costas com pouco Km percorrido.Ja tentei modoficar a posição do guidão(original) sem sucesso.O que me aconselha?

wolfmann disse...

Ricardo a receita é um pull back riser de 4,5 polegadas (lembrando que o seu riser precisa ter diamêtro de 1,25 polegadas) e um banco reach seat para te trazer mais à frente (duas polegadas) e ficar em uma posição mais ergonômica.

Alternativa ao banco reach seat é um encosto de lombar ou colocar mais espuma na lombar do seu banco original.

Se você mora no Rio, recomendo comprar o encosto "pochete" que o Erê faz. Ele vai te dizer que esse encosto não serve para a Fat Boy, mas se você mantiver o banco do garupa, você vai conseguir usá-lo.

Abraço.

Ricardo disse...

grato pelas "dicas".O pull back riser de 4,5 polegadas e diametro de 1,25 eu encontro no mercado ou preciso mandar fazer? Moro em Imperatriz(MA) pode me passar dados do Ere?

Ricardo disse...

Ricardo novamente,rsrsrsr
Com o pull back riser ha necessidade de mexer com os cabos?caso positivo,o que sugere,troca-los ou emendas.Onde posso compra-los?Desculpe-me tantas interrogacões,pois aqui somos carentes e eu neófito.

wolfmann disse...

Ricardo, o Erê tem um site onde você consegue os contatos dele e também vê alguns dos produtos dele. Procure por Erê Bancos.

O Pull Back Riser para a sua moto é o curved pullback riser, part number 57269-09 e tem quatro polegadas de altura. Não será necessário trocar cabos, apenas vai ser necessário uma arrumação pois eles estarão justos com o novo riser.

Pelo part number você pode encomendar em algum dealer ou tentar importar diretamente via e-bay.

Abraço.

Marcus Rezende disse...

Wolfmann, parabéns pelo blog! De grande valia as informações compartilhadas.

Estou entrando no mundo das HD, há 15 anos pratico off road em um nível alto, pilotando forte, mas apenas por trilhas e ultimamente não tem satisfeito meu desejo de andar de moto, por isso estou tirando carteira (rsrsrs) e comprando uma harley para ser uma opção frente a minha KTM 2t 300cc!

Apesar de ter 1,75m de altura, de todas as HDs que venho namorando..., a breakout me saltou aos olhos! A única preocupação que ainda me impede de comprar a moto é quanto a seu baixo ângulo de inclinação (23º).

Gostaria de uma opinião sua sobre isso! Quais são os riscos da pedaleira raspar no chão? Em que isto afeta ou restringe o uso da moto? É uma moto recomendável para passeios urbanos ou é predominantemente estradeira? Se existe alguma solução para isso (uma pedaleira mais alta?) e o que mais você com sua experiência achar relevante sobre o tema!

Obrigado e reitero meus parabéns pelo tempo gasto para pura e simplesmente compartilhar a experiência e conhecimengo!

Abraços!!!

wolfmann disse...

Marcus, é mais fácil raspar uma plataforma que a pedaleira.

E em chegando ao limite da pedaleira, você tem uma proteção que vai "chutar" seu pé indicando ter alcançado o limite.

O limite de inclinação é algo a ser considerado se você pretende fazer das ruas um circuito de moto gp. No uso rotineiro verá que isso não irá te limitar.

Acredito que o grande problema para se adaptar à Breakout será não usar as pedaleiras para ficar em pé. Como são comandos avançados, você estará com as pernas esticadas e para subir nas pedaleiras vai acabar praticamente em cima do guidão.

A Breakout é uma moto que impressiona bastante pela sua roda traseira larga. isso também é algo que vai te forçar ao uso do contra-esterço para fazer com que a moto entre na curva mais facilmente, uma vez que a largura do pneu traseiro vai forçar uma "curva quadrada". Com a prática fica até divertido.

Um detalhe que vale a pena chamar a atenção é a posição: sou pouca coisa mais baixo que você (1,72m) e acabei me inclinando para usar o guidão e isso acaba trazendo desconforto na lombar. Sente na moto, peça para fazer um ride test e veja como se sente em cima da moto.

Sobre o uso, eu uso uma Fat Boy (mesma família Softail) rotineiramente, seja para ir e vir do trabalho ou seja para passeios curtos no fim de semana, sem qualquer problema.

Abraço.

Frederico Lage disse...

Alguém poderia esclarecer uma duvida minha sobre o paralama traseiro da breakout? Já vi em algumas paginas da moto algumas fotos de umas customizadas. Reparei que eles rebaixam o paralama e o deixam bem perto do pneu, o que o destaca, alguém sabe como isso funciona? Pode-se perceber isso nessa foto:
https://i.ytimg.com/vi/H4oN4R0_yZQ/maxresdefault.jpg
Não sei se a moto fica sem suspensão, se eles a trocam por uma a ar, ou se apenas a rebaixam, só não sei como o pneu não acaba "pegando" no paralama. Se puderem me ajudar, fico satisfeito. Obrigado!

wolfmann disse...

Frederico, eu já rebaixei a suspensão de uma FXST (prima mais velha da Breakout) apenas calçando a suspensão traseira e reduzindo o curso da mesma. O paralama desce e encaixa no pneu sem problemas.

O grande problema nessa situação é a posição das setas, que precisam ser recuadas para evitar ficar roçando no pneu. Não havendo mudança na tala do pneu (largura) não há problemas com a balança.

Frederico Lage disse...

Obrigado por responder wolfmann!! Mas e em pisos irregulares? Não acaba danificando o proprio paralama não?

wolfmann disse...

Nunca tive problema com o paralamas, em compensação o quadro arrasta em quebra-molas e a suspensão dá fim de curso com facilidade.

Frederico Lage disse...

Ok!! Obrigado pela informação!

Renan Kaku disse...

Olá!
Estou para comprar uma HD, porém, minha indecisão é cruel.
Sempre fui apaixonado pela Iron e 48, entretanto, suas individualidades com relação ao banco não me permite aderia a uma delas, sem falar na pequena autonomia.
Sendo assim, meu interesse aumentou por 3 HD's, Fat Boy, Breakout e Street Bob.
Poderia me dar algum conselho quanto a escolha de uma delas? Minha intenção é utiliza-la mais no meio urbano (moro em uma cidade pequena, sem trânsito), e fazer viagens, em sua maioria de 200km mais ou menos, e algumas vezes viajar alguns 600km.
Se de alguma forma, alguém puder me ajudar na escolha de algo, serei grato!
Grande abraço!

wolfmann disse...

Renan, cada um tem uma preferência: entre as três citadas, eu prefiro a Fat Boy.

Para você avaliar: Breakout e Fat Boy são Softails e tem suspensão mais confortável, o que sempre conta a favor das Softails.

Entre Breakout e Fat Boy, a Breakout costuma necessitar de ajustes na ergonomia para pilotos com menos de 1,80 (guidão e banco) e é um ponto para você analisar.

Outro ponto a analisar são os pneus: ambas usam pneus largos na traseira. A Breakout usa um pneu 280 e a Fat Boy usa um pneu 200. O preço do pneu 280 é maior e mais difícil de achar.

Já a Street Bob seria a escolha no quesito preço, mas tem suspensões menos confortáveis e um motor completamente defasado (usa o Twin Cam 86 enquanto o mundo inteiro já usa o Twin Cam 103 ou o Milwaukee 8).

Recomendo fazer um ride test para ter uma melhor avaliação pessoal.

Espero que tenha ajudado.

Abraço.