quarta-feira, 15 de setembro de 2010

efeitos da troca de pneus

Eu já troquei duas vezes o pneu traseiro, a primeira por desgaste aos 20000 kms e a segunda para aproveitar o pneu da FX que estava com menos desgaste e já me proporcionou rodar mais 3000 kms que faria com o pneu anterior e continuará rodando por outros 2000 kms ou mais.

O pneu dianteiro foi a primeira vez. Levado até o desgaste da marca TWI no lado esquerdo demonstrando um desgaste irregular do pneu, talvez pelo fato do freio ser daquele lado, talvez por mau projeto do pneu, esse pneu foi trocado aos 43000 kms (cerca de 7% a mais do que o esperado) tentando esticar a vida útil ao máximo para acompanhar o desgaste do pneu traseiro. Não deu.

A troca do pneu traseiro foi notável na tração e na dirigibilidade deixando a moto mais estável em linha reta, mas pouco notado nas curvas.

Já a troca do pneu dianteiro transforma bastante a moto: ela voltou a me impressionar como quando comprei a minha Fat em 2006. A dirigibilidade melhora bastante, diminuindo esforço na entrada na curva e aumentando bastante o limite de inclinação da moto. A necessidade do contra-esterço para a entrada da curva é mais suave e a frente dá a nítida impressão de ter ficado mais leve.

Ainda não dá para afirmar que isso tudo se deve a mudança de fabricante, pois o Marcelo trocou o pneu dianteiro da Electra Glide dele nestes dias, mantendo o fabricante original, e relata a mesma impressão.

Para a pilotagem o pneu novo na dianteira representou para mim ter de volta a minha Fat zero km e é muito bom ter uma moto zero por menos de R$ 500,00.

Não esquecendo dos cuidados necessários para a entrada em uso normal do pneu dianteiro, ainda assim ficou bem melhor pilotar a Fat.

Não fosse o custo da brincadeira, eu recomendaria a troca dos pneus dianteiros junto com os traseiros.

7 comentários:

Anônimo disse...

Penu é o contato da moto com o solo e faz toda a diferença. Só como curiosidade, no meu pneu Bridgestone japones, veio uma tarja de instruções que recomenda nos primeiros 165 Km um cuidado redobrado na condução, principalmente nas frenagens, curvas e acelerações, isso por decorrência da presença de cera protetora na banda de rodagem dos pneus novos. Na minha Dyna, o esforço na prática do contra-esterço é grande, talvez por conta do Dunlop original na dianteira. Vamos ver o que vai mudar na troca do pneu traseiro.
Abraços.
Léoclima

Pedro Couto disse...

Troquei os 2 originais Dunlop por Metz. Agora estou tendo que me acostumar a outra moto. Mudou bastante o grip, as curvas são mais estáveis, reduziu o shimmy na Dyna e até o consumo melhorou em quase 1 K/l. Mas não sei o que vai dar o desgaste. Dizem que os Dunlop duram mais.

Aliás, essa coisa de desgaste me intriga. O Léo lá do fórum FHD relata TWI em 7,5K. O meu foi em 15K. O seu em incríveis 40K. Não é possível que nosso modo de pilotagem varie tanto assim...

Abs,

Pedrão

wolfmann disse...

Pedrão, atente para o detalhe que o pneu que durou mais foi o dianteiro.
O primeiro pneu traseiro durou 20.000 kms, o segundo não levei até o final (estava com aproximadamente 17.500 kms quando troquei pelo traseiro da FX que tinha dado PT) e esse terceiro está chegando nos 18000 kms.
Ou seja, o pneu do Leo foi embora muito cedo, o seu teve desgaste severo mas aceitável.
Acredito que a diferença de 5000 kms entre o final do pneu da Fat e o final do pneu da Dyna se deva fundamentalmente à motocicleta porque temos vários exemplos de Heritages e Fats mais antigas onde os pneus traseiros chegam aos 20000 kms.
O que me chama a atenção foi você ter trocado o par de pneus porque normalmente gasta-se dois pneus traseiros para cada dianteiro.

Anônimo disse...

O Pneu do Léo do FHD não deu TWI....deu LISO mesmo...rsss
PS : O Léo Campos do FHD e Leoclima do Motonline são a mesma pessoa. Eu estou trabalhando, mas no fim do mes vou postar as devidas fotos do Dunlop Harley Davidson original de fábrica, liso e com 7.500 Km. O curioso é que eu Não ando forte, não levo garupa, não ando com bagagem, não ando em asfalto quente, não acelero muito, não freio muito. O pneu tem borracha macia mesmo. Só pode ser isso.
Abraços.
Léocampos/Leoclima

wolfmann disse...

Leo, eu já suspeitava da sua dupla personalidade... hehehehehe.

Ainda acho muito cedo para o pneu ter ficado liso. Tem angu nesse caroço.

Não descarte ter recebido a moto com pneu meia vida. Trocado na oficina autorizada eu sei que não foi porque você não frequenta lugares mal afamados... hehehehehe.

Pedro Couto disse...

De fato, os 2 (traseiro e dianteiro) deram TWI com 15K, ambos originais Dunlop.

Fui hoje com chuvisco e pista molhada para Friburgo e lhe digo seu velho lobo do mar: Dunlop nunca mais.

wolfmann disse...

Dunlop respeita a lei seca: se chover, não dirija...

Ainda é cedo para tecer comentários sobre o Metzler na dianteira. A moto parece zero km novamente, mas isso é normal na troca do dianteiro.

Sobre a pilotagem, te digo que ainda sinto falta de superfície de contato na reta, mas deve ser efeito dos resíduos de cera de conservação. Na curva não dá para comparar: muito melhor, com um limite bem superior e menos esforço tanto no contra-esterço quanto no contra-peso.

Vamos rodar...