domingo, 8 de junho de 2014

revisão de 72.000 kms

Com mais de um ano após a revisão de 64.000 kms (13/03/2013), revisei novamente a Fat.

Com um uso abaixo da minha média ( 7.000 km/ano ao contrário dos 9.500 km/ano que vinha mantendo), notei que a Fat teve um desgaste acima do que estou acostumado.

Com algumas intercorrências durante 2013 (http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2013/07/sert-ficou-obsoleto.html ; http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2013/08/problema-na-alimentacao-da-fat.html e http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2013/10/carburacao-por-um-fio-ou-faca-mesbla.html ) e a viagem à Milwaukee junto, a moto acabou ficando praticamente parada por três meses.

Ainda passou por outro problema na injeção quando soltou a trava que segura o filtro/regulador de pressão (http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2014/02/mais-um-defeito-na-fat.html) e o cansaço nos amortecedores (http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2014/04/fat-esta-sentindo-o-peso-da-idade.html ) deixaram esses 8.000 kms com muitas queixas para serem resolvidas.

A moto parou por todo um final de semana tendo trocado todos os lubrificantes (caixa, motor e primária), esticado a corrente da primária (vou verificar o esticador manual dessa corrente na próxima revisão para possível troca), filtro de óleo, lavado o filtro de ar (devo trocar na próxima revisão já que a limpeza já não se mostra tão eficiente), reaperto, regulagem de folgas em cabos e a tradicional limpeza de sensores e caixa de fusíveis: revisão normal.

Acrescente a isso a troca de fluído de freios (troca recomendada a cada dois anos e a moto completa oito anos em julho), troca de pastilhas (compradas em viagem), troca de velas (estava com velas "menos velhas" desde os testes por conta do problema com a alimentação em Julho/Outubro de 2103) e ajuste no farol auxiliar que não estava conseguindo regular o foco.

E por último troca da junta da vigia do tanque (tantas aberturas e fechamentos dessa vigia para verificar os problemas de alimentação custaram vazamento de combustível quando o tanque era cheio), verificação das suspensões dianteira  e traseira: desmontando por completo a mesa dianteira (buchas do riser inferiores bem desgastadas: inverti-as com as buchas superiores) e verificando coxins, suportes da balança e amortecedor (regulado na última posição para deixar a suspensão mais dura e evitar o fim de curso).

Tudo isso custou R$ 900,00 (material e mão de obra) e o serviço foi feito pelo Adriano Godinho, como sempre com muito cuidado. Acompanhei apenas o serviço feito no amortecedor traseiro para tirar a cisma com o fim de curso que a moto vinha dando e não vi nada que pudesse ser o causador do problema.

Com a regulagem do amortecedor na posição mais dura possível, esse problema desapareceu (falta rodar com a Silvana na garupa) mostrando que o amortecedor está perto do final da vida útil.

O que mais impressionou nesse uso foi realmente o desgaste pelo "não uso", comprovando que moto que roda é moto que não quebra.

O custo atualizado baixou para R$ 0,43/km rodado.

3 comentários:

Wilson Roque disse...

Outro aspecto importante que você não considerou, além do "não uso", é a lavagem da moto. Universidades americanas comprovaram em estudos recentes, que uma Harley-Davidson brilhando dura muito mais! Hehehe.

wolfmann disse...

A minha até que agüenta bem sem brilhar, mas confesso que o escape está pedindo arrego...

Anônimo disse...

Wolfmann, minha fat está com 63.000km e mês que vem devo fazer a revisão de 64.000km. Moto sem nenhum problema. Até hoje, o único problema que tive com a moto foi um rele que começou a falhar e fez a moto morrer do nada no meio da rua, em movimento. Identificado o problema, troquei os dois reles da Fat, e ela segue perfeita. Na próxima troca devo abandonar o pneu Dunlop traseiro, pela primeira vez, e instalar o Michelin. Espero que seja uma boa troca. Ainda não senti fadiga dos amortecedores. Com relação aos fluidos e óleos, motul 7100 no motor e primária, motul gear 300 no cambio, e fluido de freio motul rbf 600. Devo trocar todos, pois na última revisão troquei apenas o oleo do motor e primária (motul 7100). Fluido e oleo do cambio estão com 16.000km, mas todos foram trocados em outubro 2013 para a viagem a Punta del Este. PS: a moto está melhor do que nunca! Rapida, macia... não há motivos para trocá-la por uma zero do mesmo modelo ou maior.
abs, Renatinho