sábado, 18 de agosto de 2012

os surpreendentes Metzelers

Postei há cerca de dois meses que o meu pneu traseiro começava a mostrar desgaste.

Pois é: ele acabou. Com 15000 kms o pneu traseiro mostra sulcos centrais com profundidade abaixo dos 2 mm recomendados (atualmente chegou a 1,6 mm) e já vou procurar outro para fazer a substituição.

Por que surpreendente? Porque esse pneu acabou repentinamente. Em uma inspeção visual você acha que ele ainda pode rodar mais tempo, mas o comportamento mudou bastante. Nitidamente a moto tem um comportamento inclinada e outro comportamento em pé, fazendo que a retomada de aceleração provoque um balanço que incomoda. É lógico que tudo se acostuma e muitos podem continuar levando o pneu por mais quatro ou cinco mil quilometros, mas é perigoso principalmente em piso úmido.

Esse pneu parece ter um composto bastante característico: até completar os primeiros 5000 km ele se comporta de maneira razoável por conta do perfil mais esportivo. Entre os 5000 e os 10000 km ele se comporta de forma sensacional e os últimos 5000 km te trazem mudanças bruscas nas retomadas que vão piorando conforme os sulcos ficam menores.

Em termos de custoxbenefício, o Metzeler é melhor que o Dunlop pois embora tenha menor durabilidade, seu custo menor ainda traz benefício para o bolso.

Já o uso é menos linear que o Dunlop, que não tem mudanças bruscas conforme a idade do pneu: o Dunlop é um pneu médio durante todo o seu uso ao contrário do Metzler que alterna entre razóavel e ótimo.

Esse comportamento está me fazendo analisar seriamente se volto a colocar outro Metzeler para acompanhar o dianteiro (que ainda tem 6 mm de sulco e deve aguentar o desgaste de outro pneu traseiro antes da troca). Se encontrar o novo Commander II da Michelin para a medida da Fat sou capaz de iniciar a experiência, mas o ideal seria trocar o jogo para não ter resultados influenciados pelo Metzeler dianteiro.

Não gostei do Metzeler.

7 comentários:

Anônimo disse...

Wolf.

Eu tentei fazer um comentário, mas essas letras pra ver se a gente é robô estão impraticáveis.
Abraços.
Leoclima

Tovar disse...

Também tenho desistido de comentar devido às "letrinhas".

Unknown disse...

Caro Adelino
Interessante a análise do seu Met, e se me permite, fiquei abismado com a duração de 15.000, na verdade durou mais que os meus Dunlop, 13.000(não Original de fábrica).
Por outro lado o motivo de minha postagem é pela troca que fiz para o Pneu Commander II, tirando o fato da mudança do gasto pelo novo, a diferença foi muito marcante. A moto arredonda de uma forma fantástica, tenho uma Dyna e só praticamente ando em estrada e ainda pesado e algumas surpresas vieram a tona e passo a vc e aos amigos leitores de seu Blog. Primeiro que o lado direito da moto começa a arrastar a toda hora, o que significa que a segurança nas curvas aumentou, segundo o famoso balanço que para mim começava entre 120 e 130 nas curvas, mais ou menos como nas Ultra, nesta velocidade não mais se mostra e ainda não tentei ver em qual velocidade ela aparecerá e nen sei se saberei. Quanto ao desgaste, ainda cedo pois só rodei cerca de 2800 Km e não dá para ter noção. Falei com o Gerente de marketing em duas rodas da Michelin, pois queria ter certeza da calibragem, foi informada na base 160 2,8 bar (40.6lbs) eu uso 40 como no Dunlop então estava dentro, fiquei tranquilo. Ele me afirmou que terei grata surpresa na durabilidade do Pneu. Vamos usando para ver. E em terceiro a surpresa maior de todas, minha mulher companheira de todas as estradas fez uma pergunta interessante:Você trocou a suspenção da Moto?KKKK Grande efeito.....
Um grande Abraço e continuo por aqui lendo as coisas.
Ricardo Cunha
PS as letras estão um sufoco

Anônimo disse...

Gostaria de ver a ASSOCIAÇÃO DOS MOTOCICLISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO realizar um manifesto mais contundente contra o Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro sobre a questão da qualidade do asfalto das ruas da cidade. É verdade que algumas das principais vias da cidade foram “maquiadas”, mas quero chamar a atenção para as demais, estão terrivelmente mal conservadas, para mim, um CRIME contra a vida dos motociclistas. Depois da qualidade de manutenção da minha motocicleta, vem a qualidade do asfalto, importantíssimo para a minha segurança, e aqui no Rio as vias são lamentáveis. Não adianta a Prefeitura ser “amiga” na hora de uma licença para um Moto Fest e não fazer sua principal função, asfaltar suas vias. Devemos aproveitar esse momento da eleição e lembrar ao motociclista o que a prefeitura do Rio proporciona para nós em termo de asfalto e segurança, sem falar na falta de estacionamento para motos no centro da cidade e outros. Não tenho candidato a Prefeito ainda, mas esse que esta ai não pode ter nenhum voto de um motociclista de verdade.

wolfmann disse...

Leo e André, também ando penando com essas letrinhas, mas vou levando.

Ricardo, agendei a troca dos dois pneus da minha Fat para quarta feira próxima e vou colocando minhas impressões. Vou aguardar os seus comentários.

Vonzodas disse...

Depois de rodar por volta de 16k com os originais Dunlop na minha Fata, troquei pelos Metzeler. Gostei do pneu, que também rodou por volta de 16k. Mas o desgaste repentino na fase final realmente me assustou. Fui para Curitiba em Junho, e na inspeção visual estava tudo ok. Quando voltei de viagem, a cinta de aço estava aparecendo no centro do pneu. Bem, troquei novamente pelos Metzeler, e vou ficar esperto com o desgaste dessa vez. O dianteiro gasta menos que o traseiro, mas nas duas trocas, resolvi trocar ambos. Para a próxima, penso em retornar para o Dunlop.

wolfmann disse...

comecei a usar os Michelin (como a minha Fat é antiga, tem as medidas dianteira e traseira) e estou gostando.

Já cheguei aos 500 kms rodados e mostram um perfil mais adequado à minha pilotagem com boa aderência, mas a melhor marca de qualquer coisa é sempre Novo.

Vamos ver se o comportamento se mantém.