sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

tentando uma solução para a suspensão dianteira

Postei em junho, quando fiz a revisão de 72.000 kms (veja aqui) que sentia as suspensões chegando ao final da vida útil.

A suspensão traseira foi resolvida nessa revisão, ao deixar os amortecedores na regulagem mais dura, mas a suspensão dianteira continuava me aborrecendo com as constantes pancadas na mesa por conta das molas cansadas.

Conversei com o Adriano após a minha chegada de Orlando sobre isso, melhorei um pouco a situação mantendo os pneus calibrados com mais frequencia (veja aqui) e em setembro a situação começou a deixar a condução da moto bem complicada (veja aqui).

Conversando e seguindo as recomendações que já haviam deixado no comentário e mails que tinha recebido estava pensando em fazer a troca das molas originais pelas molas da Progressive Suspension que tem várias soluções: desde um kit com molas e reservatório de gás até as molas mais usadas nas customizações que permitem rebaixar a frente.

O que todos me recomendaram é o fork lowering kit (link) composto pelas molas de apoio, molas de suspensão e um calço para deixar a suspensão desde a posição mais baixa (sem o calço) até a posição mais alta (com o calço integral), sendo a regulagem da altura definida pelo tamanho desse calço (cortado no tamanho para deixar a moto com uma altura entre a máxima e a mínima).

Esse calço, visualmente falando, não passa de um tubo a ser serrado (ou não) e conversando novamente com o Adriano sobre a dificuldade em pilotar a moto e a dificuldade em trazer o kit nessa época de fim de ano, ele recomendou a troca de óleo da suspensão (usando o 15w) por um mais grosso (20w) e fazer um calço com tubo de pvc comum. Ele já havia feito isso para um cliente há algum tempo atrás e o cliente havia gostado do serviço.

Usar óleo mais grosso visa compensar o enfraquecimento da mola original e o calço visa levantar a suspensão tal e qual o sistema da Progressive Suspension.

Assim foi feito e o resultado está sendo muito bom até o momento. Rodei pelo Rio, nas vias esburacadas de sempre, onde a mesa recebia as pancadas da suspensão e isso não acontece mais.

Do mesmo modo, a moto não "abana" mais nas curvas, permitindo fazê-las com mais velocidade dentro e de forma mais segura. Vou rodar, mas acho que o problema está resolvido até que o óleo 20w não consiga mais compensar o cansaço do material das molas originais, quando acredito que os amortecedores traseiros também já terão completado sua vida útil.

Nesse momento vai ser mesmo necessário a troca, que pretendo fazer usando as suspensões da Progressive: o fork lowering kit na frente e os PS422.

O efeito colateral da solução do problema foi a necessidade de lavar a moto. Além da sujeira habitual, voltou com a sujeira habitual de oficina e não teve mais jeito.

Dessa vez lavei no 1220 na Barrinha. Conseguiram o milagre de fazer a moto voltar a brilhar


São Pedro não pareceu muito satisfeito com a idéia de ver a Fat limpa depois de tanto tempo, pois foi só confirmar que poderia lavar a moto, apesar do horário que cheguei (quase 17h) que o tempo fechou.... hehehehehe


Mas chegou em casa limpa. Vou tentar mantê-la menos suja lavando pelo menos duas vezes no ano...

2 comentários:

Wilson Roque disse...

Aleluia! A Fat está limpinha e com os cromados brilhando.

Filipec disse...

Tio Dino, Me paga vintão que lavo toda semana. (Tenho antitetânica)